:: anti-gps

23:01


esta coisa de amar está-nos sempre a pregar rasteiras. não daquelas que magoam, mas daquelas quase brincadeira, que nos abanam e fazem soltar um riso: - oh, parvoíce, nem te estava a ver e tu aqui a minha frente!! porque, ás vezes, não vemos o óbvio e tropeçamos: deixamo-nos acomodar e não conseguimos perceber a evolução, a mudança, as novas formas de mostrar o que se gosta, o quanto se quer. mas é precisamente essa mudança que torna um amor mais forte: não é o mantermos sempre os mesmos rituais, a mesma forma de dizer amo-te. é precisamente o contrário que mantém a chama acesa: o haver sempre uma maneira nova de mostrar, de sentir, uma maneira nova de ser feliz. de fazer, quem queremos, feliz.

não há nada pior do que tornarmo-nos previsíveis no amor. podemos saber com o que contamos, isso é bom. devemos saber como o outro vai reagir, isso é bom. mas nunca é bom ter ao lado alguém previsível. é bom ter uma base que nos sossega, mas perfeito é ter um topo que nos deixa sempre ansioso: sempre na expectativa de uma pequena surpresa, uma pequena foto, uma mensagem, uma taradice nova, um gesto inesperado. que nos tolda - de emoção, de desejo, de riso, ou simplesmente de carinho. é por isso que não gosto dos GPS. porque gosto de conhecer o mapa da estrada, mas prefiro deixar ao acaso a escolha do caminho. maravilhosas as ruas que descobri sempre que me perdi. como maravilhosos todos os momentos imprevisíveis entre chegares a casa e adormeceres no quarto. porque o mapa é sempre o mesmo, mas todas as noites o caminho é diferente. é novo.

às vezes jantamos, outras vezes apenas bebemos. às vezes passamos horas a ouvir musica, outras vezes apenas contamos o dia-a-dia. às vezes lemos os nossos textos. e rimos. e choramos. às vezes fazemos amor louco, outras vezes namoramos à janela como dois adolescentes tontos. as vezes adormecemos num filme, outras vezes acordamos os vizinhos com o nosso filme. às vezes o suor toma conta de nós. outras vezes apenas o cansaço nos tolda os braços.
mas seja qual for o caminho, sabemos sempre para onde vamos: o sossego no outro. no trajecto há sempre uma forma nova de querer - no sorriso, no abraço, na companhia, no corpo. todos os dias diferente. imprevisível. mas é o fim - o sono junto - que nos traz a paz no outro. como tão bem me explicaste ontem, não precisamos de gps, nem de trajectos marcados, nem de linhas traçadas, para chegar aqui. porque amar de verdade é isso: é ter a confiança, a certeza, a vontade férrea, de, qualquer que seja o caminho, sabermos sempre o destino: o nosso sono junto. tu, no meu peito, feito porto. eu, na tua mão, feita âncora..

You Might Also Like

9 comentários

  1. :-)

    ainda ontem lhe disse: tens que contar sempre com a minha imprevisibilidade. :-)

    ResponderEliminar
  2. Butrerfly12.4.14

    Lindo ❤️❤️

    ResponderEliminar
  3. Anónimo14.4.14

    A tua escrita,as tuas historias são tão reais que me pergunto se nao serão ficção???


    Parabens ! MAis uma vez fico presa da primeira letra á ultima..:)

    ResponderEliminar
  4. Andreia16.8.14

    Perfeito ;)

    ResponderEliminar

FACEBOOK

FOLLOWERS